Ceará faz alerta sobre ‘peste bubônica’ em municípios na divisa com Piauí

Alerta para notificação imediata de peste bubônica foi emitido pela Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa). O último caso da doença no estado foi confirmado em 2005, por exame sorológico, no município de Pedra Branca. A nota técnica da secretaria orienta vigilância em 42 cidades cearenses, alguns deles fazem divisa com o Piauí, como o município do Pio IX.

A peste bubônica é transmitida pela bactéria Yersinia Pestis, a mesma da peste negra, doença que matou milhares de pessoas na Europa durante a Idade Média. Essa bactéria tem como vetores pulgas de dezenas de espécies. Os principais hospedeiros são os roedores, como camundongos, ratos, capivaras e até porquinhos-da-índia.

Humanos não são os hospedeiros naturais, mas contraem a doença sendo mordidos pelas pulgas infestadas nesses animais ou inalação de ar contaminado, no caso de pneumonia grave. O contato com os roedores ocorre, segundo a secretaria, quando o homem invade os ecossistemas desses hospedeiros infectados em atividades de caça, agricultura, comércio ou lazer.

Animais domésticos, tais como cães e gatos domésticos, também estão associados a algumas das principais espécies de pulgas da peste. “Fortaleza teve uma epidemia de peste no século XIX e primeiro metade do século 20. Nos dias de hoje, é muito improvável que ocorra epidemia porque as condições de vida mudaram”, explica o médico infectologista e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Roberto da Justa.

Ainda que a doença possa ocorrer em todo o território, inclusive urbano, o risco de epidemia é quase nulo devido às melhores condições de higiene. “Apesar de ainda termos muitos defeitos em termos de saneamento, a situação sanitária melhorou (em relação ao período de infestação). Era uma doença bem grave e dizimava muitas pessoas, mas contamos agora com antibióticos que há 100 anos não existiam”, frisa.

No Estado, as áreas com focos de peste e, portanto, de importância para a vigilância, estão localizadas nas Serras de Baturité, Serra do Macaco, Uruburetama, Pedra Branca, Ibiapaba, Matas e Chapada do Araripe, conforme a nota técnica.

A nota da Sesa destaca que “a persistência desses focos deve ser considerada uma ameaça real e permanente de acometimento humano nessas regiões, que pode estender-se para outros lugares, inclusive centros urbanos, tornando-se imperativo que os técnicos de saúde estejam preparados para lidar com o problema”.

Fonte: O Povo / Por Amanda Araújo

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.